sexta-feira, 5 de junho de 2009

VIOLÊNCIA INFANTIL

"Seria importante a escola inserir em seu contecto o respeito pelo processo de desenvolvimento moral, não tachando mais certos comportamentos como violentos, mas como características de uma determinada fase da construção da autonomia da criança, pois para que o sentimento de justiça se desenvolva, são necessários o respeito mútuo e a solidariedade entre as crianças e os adultos".
Iniciei esta postagem com uma citação de Jaqueline Santos Picetti, extraida do texto: "Significações de Violência na Escola: equívocos de compreensão dos processos de desenvolvimento moral na criança?"
A violência protagonizada pelas crianças e jovens nas escolas é uma realidade inegável, não tem esconder ou ignorar.
Devido às exigências da modernidade, as famílias, muitas vezes, destituem-se da sua função educativa, delegando-a à escola. A escola, por outro lado, além de tentar combater as causas, precisa entender e procurar controlar as consequências desses atos violentos.
As palavras da autora acima citada, além de iluminarem meu caminho em busca de um esclarecimento sobre o modo de agir perante as situações descritas, me apresentaram a teoria de Piaget (O Juízo Moral da Criança). A leitura do texto de Jaqueline e da sinopse de Piaget me fizeram entender que meus alunos (em torno de 8 anos de idade) ainda estão construindo as noções de justiça, solidariedade, responsabilidade. Ou seja, a criança é protagonista de uma cena de violência, mas ainda não está "pronta" para fazer um julgamento correto sobre seus próprios atos e os dos outros, que muitas vezes são reflexos do seu cotidiano.
A socialização é um processo interativo, necessário para o desenvolvimento, através do qual a criança satisfaz suas necessidades e assimila a cultura ao mesmo tempo que, reciprocamente, a sociedade se perpetua e desenvolve. Dentro desse contexto, a escola exerce um papel importante na consolidação do processo de socialização, processo esse que ocorre já no inicio da vida da criança.
A forma pela qual as crianças lidam com as regras, com a justiça e a moral varia no decorrer do processo de desenvolvimento. Para Piaget, os indivíduos desenvolvem sistemas conceituais que lhe permitem compreender e transformar a si e ao ambiente. Esta construção ocorre através das interações com o meio, onde a criança vai desenvolvendo suas próprias crenças.
De acordo com a teoria piagetiana, é no periodo escolar, compreendido a partir dos 7 anos, que as crianças evoluem da heteronomia (obediência à autoridade, à regra e ao dever) para a autonomia moral (superação da moral heterônima, a noção do Bem é derivada dos deveres).
A criança chega à escola levando consigo aspectos constitucionais e vivências familiares, porém o ambiente escolar será uma peça fundamental em seu desenvolvimento.
A escola não só deve intervir na transmissão do saber científico organizado culturalmente como influir em todos os aspectos relativos aos processos de socialização e individuação da criança, como são o desenvolvimento das relações afetivas, a habilidade de participar em situações sociais, a aquisição de destrezas relacionadas com a competência comunicativa, o desenvolvimento das condutas pró-sociais e da própria identidade.



Fonte de apoio:

Um comentário:

Simone disse...

Oi Suzan, bem construído essa tua postagem. Nela, trazes fragmentos do texto trabalhado na interdisciplina e reflexões pessoais sobre o tema. Abração, Sibicca