quinta-feira, 11 de junho de 2009

AUTISMO

Autismo é uma desordem global do desenvolvimento. É uma alteração que afeta a capacidade da pessoa comunicar, estabelecer relacionamentos e responder apropriadamente ao ambiente.
Algumas crianças, apesar de autistas, apresentam inteligência e fala intactas, outras apresentam também retardo mental, mutismo ou importantes retardos no desenvolvimento da linguagem. Algumas parecem fechadas e distantes, outras presas a comportamentos restritos e rígidos padrões de comportamento.
Geralmente a criança chega à escola sem que os pais percebam que o filho é autista. É importante que nós, professores, saibamos reconhecer este quadro.
Os autistas apresentam algumas características comuns:
- Não estabelece contato com os olhos.
- Parece surdo.
- Pode someçar a desenvolver a linguagem, mas repentinamente isto é interrompido, sem retorno.
- Age como se não tomasse conhecimento do que acontece com os outros.
- Ataca e fere outras pessoas, mesmo que não exista motivos para isso.
- É inacessível perante as tentativas de comunicação de outras pessoas.
- Ao invés de explorar o ambiente e as novidades, restringe-se e fixa sua atenção em poucas coisas.
- Apresenta certos gestos imotivados, como balançar as mãos ou qualquer outra parte do corpo.
- Costuma cheirar ou lamber os objetos (brinquedos, por exemplo).
-Mostra-se insensível aos ferimentos, podendo, inclusive, ferir-se intencionalmente.
Estas características podem auxiliar no "diagnóstico". Uma criança que apresenta estas particularidades, pode ser um autista e tem o direito de ser tratada. Cabe ao professor tomar as atitudes necessárias para que o aluno leve uma vida digna.
Fonte de apoio:
"Autismo: Atuais interpetações para antigas observações".
de Cleonice Bosa.

Um comentário:

Simone disse...

Oi Suzan, nessa postagem trazes informações importantes que nos ajudam a compreender um pouco mais sobre o autismo. Já tiveste contato com alunos autistas? Se sim, como desenvolveste o trabalho? Se não, como achas que organizaria o trabalho com uma criança autista? Abração, Sibicca